segunda-feira, 26 de julho de 2010

diferente... normal... é tudo a mesma coisa pô!

Todo mundo quer ser diferente. É com essa vontade que todo mundo se torna igual.

Chega um momento na nossa vida em que adotamos a famosa filosofia de vida: O legal é ser diferente.
Acontece que não existem tantas formas de vida assim pra você conseguir ser único. Ser realmente diferente de todo mundo. Você se adapta, pesca ideias, reúne diferentes elementos e forma a sua personalidade, o seu estilo. Mas é só viver um pouquinho que um dia você encontra alguém que teve a mesma ideia que você.
Eu nunca quis ser diferente. Nunca busquei propositalmente. Até um certo ponto.
Quando eu vi que estava na minha essência ser diferente dos outros eu resolvi assumir esse papel. É a minha necessidade de expor as coisas. Se por dentro eu era toda diferente, eu precisava colocar isso pra fora de alguma forma.
Eu uso meu cabelo. Foi a forma mais brutal de dizer pro mundo: eu não concordo.

O problema foi quando a filosofia "O legal é ser diferente" acabou se transformando em: Ser diferente é normal.
Porque o que mais se encontra hoje em dia é gente falando que é diferente, que quer ser diferente, que gosta do que é diferente e derivados.

Acho que é por isso que surgem as modinhas.
Imaginem a seguinte situação:
Um adolescente de 17 anos. Ele está entediado com a sua vidinha de pré-vestibular, complexado com suas espinhas e acnes, depressivo porque a garota mais gostosa da escola nem sabe que ele existe e só o que sobrou foi o seu violão (que é claro, ele só sabe uns 3 acordes).
Então ele resolve escrever uma música, e a inspiração é a tal garota gostosa. E ai vem os lindos versos:
"o simples torna ela demais
quinta o shopping domingo os pais"
Não satisfeito ele continua, e consegue chegar no auge da sua criatividade e escreve:
"Aposto um beijo que você me quer.
woh o oh, woh o o o oh, woh o oh eu te completo baby."
Depois de compor sua obra prima ele chama os amigos, igualmente entediados pra formar uma banda. Ai eles colocam uma calça verde limão e uma blusa azul bebê. Cortam o cabelo de olho fechado e boom.

De repente centenas de adolescentes malucos (e gays) acham isso super legal e super diferente. E no "querer ser diferente" eles se tornam iguais. Compram calças verde limão, blusas azul bebê e fecham os olhos. (e tapam os ouvidos né? num é possível)
Mas isso foi só um exemplo.

É basicamente isso. Se todo mundo quer ser diferente, é porque todo mundo pensa igual. Então vamos parar de querer ser, e tentar ser. Pra mim, ser diferente não é odiar modinhas e odiar quem gosta de modinhas. Ser diferente não é tatuar um dragão verde da testa. Ser diferente não é ser do contra por simplesmente ser.
Ser diferente é apenas ser quem você quer ser, e não contar pra ninguém.




ps: não me odeie por falar mal do cine. mas se você me odiar, eu te odeio também. agradecida.

8 comentários:

  1. Perfeito. Adorei!!

    Beijinho, Sharon.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Isa! Tirou as palavras da minha boca...

    Vc já viu o vídeo do Felipe Neto em que ele fala de modinhas? Se não, corre pra ver!

    :*

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Mandou muito! Tudo o que eu sempre quis dizer.

    ResponderExcluir
  4. com certeza. Só assuma o que gostam, sem se importar com o que pensarão, não se importe com os outros e seja você , como você é.
    Não se importe em ser diferente ou igual, só seja você.

    Muito bom o post (Y)

    ResponderExcluir
  5. Isa, quem diria, aquela menina com o cabelao castanho super engraçada e divertida , se tornaria essa excelente cantora e escritora?! Eu admiro muuuuito voce pelo que voce se tornou e pelo que voce era. Beiijos

    ResponderExcluir